terça-feira, 22 de abril de 2014

NO DIA DA TERRA - " PRECE PELA TERRA " um poema de Eugénio de Sá




Prece pela Terra

Eugénio de Sá


Ouvi o pranto pelos mortos do mundo
Oh Deus d’amor, Senhor do universo
Que a estupidez retorne ao seu reverso
Que os homens caiam num senso profundo

Que as chaminés não firam mais os céus
E os venenos da terra voltem à dormência
Que a ganância emagreça pla falência
E os algozes dos pobres sejam réus

Ouvi, Deus nosso, o choro das entranhas
Do lindo planeta que nos deste
Ouvi o grito das suas dores tamanhas

Que os pecadores desde o leste a oeste
Não encontrem salvação nas suas manhas
Mas volta a crer, Senhor, no que descrestes




Que assim seja!!!



 Sintra - Portugal - 22 Abril 2014


Veja o vídeo numa linda formatação do amigo Dorival Campanelle e ouça o poema na meiga voz da amiga Ana Müller





7 comentários:

Anônimo disse...

Estamos diante de um Trio perfeito : Belíssimo Poema pela temática significante; Formatação adequada e Declamação expressiva por Ana Muller.
Meu aplauso festivo a todos .
Abraços
Vera Mussi

Foreval (Alemanha) disse...

No "Dia da Terra" nada melhor do que um "Abraco Universal"; em louvor de
Deus e da "capacidade voraz" dos
coracoes humanos... da Musa e dos
brados dos Poetas!
"Nao pertenco ao mundo, sou do Além;
mas trago o mundo dentro de mim"
Parabéns aos Poetas e nomeadamente
a vós, que cantais a Terra com sons
Divinos.

Junto envio um Poema da minha autoria "PREDICADO" - que podem
divulgar aos Amigos.

Abracos e até sempre. Foreval.

Anônimo disse...

Um poema tocante e nos instiga a pensar nos desíguinos da terra.Parabéns Eugénio por mais esta bela poesia.Toda a formatação é de excelente bom gosto.Bjs.Malu

karin rosenkranz disse...

Un poema muy bello.
saludos

Juan Ternero disse...

Bellísimo poema, excelente como sempre.
Abraços.

Mayte Dalianegra disse...

Hermosa oración que se eleva por este mundo que habitamos y al que tanto maltratamos, al igual que nos maltratamos a nosotros mismos.

Un canto de amor y paz en un mundo donde prevalece una violencia a erradicar.

Abrazos, Poetas.

Humberto Rodrigues Neto disse...

PRECE PELA TERRA!

Humberto Rodrigues Neto


Ah, Deus, meu Deus! A que infernal labor
se entrega o homem, sem raciocinar;
agride a Terra, sem sequer supor
que A concebeste como nosso lar.


O ar, o sol, o azul que esmalta o espaço,
o homem faz réus de equívocos critérios;
enche os céus desse trágico bagaço
de pós mortais e gases deletérios!


Quando se rouba à mata a ave inocente,
e polui-se a mercúrio a água dos rios,
nesse vil ato o Vosso ser pressente
o quanto somos maus e somos frios!


Da árvore que estala vindo ao chão
evola-se um lamento ao infinito,
mas não o ouve o autor da infanda ação,
pois só Vós sois capaz de ouvir-lhe o grito!


Perdoai-nos, Terra: viemos de outras plagas
pra crescer nos reencarnes sucessivos,
mas te enchemos de pústulas e chagas,
movidos por instintos primitivos!

Brasil – 3 de Maio 2014